Aedes prolifera no lixo e no luxo: todos devem cuidar

Preocupação não deve ser restrita a locais com lixo acumulado. Criadouros podem ser encontrados em pequenos espaços em locais considerados limpos. Cascavel chega 1.936 casos

Secom

O boletim da dengue, divulgado nesta quarta-feira (27) pela Secretaria Municipal de Saúde, aponta que Cascavel chegou a 1.936 casos  da doença e, mais uma vez, as autoridades sanitárias pedem a colaboração de todos no combate ao mosquito Aedes aegypti.

De acordo com Ana Paula Barboza, coordenadora do Programa de Endemias, na última semana houve aumento significativo de casos em todos os bairros.

“Isso nos acende um alerta, visto que na semana anterior tivemos, infelizmente, um óbito registrado aqui no município. Então nós pedimos, mais uma vez, a colaboração efetiva de toda a população, cada um precisa fazer a sua parte, eliminar criadouro nos seus quintais, nos seus locais de trabalho”, diz a coordenadora.

E a proliferação do mosquito acontece em todos os ambientes, sejam de lixo ou de luxo.  Locais considerados higienizados e limpos podem esconder o problema.

A gerente da Divisão em Saúde Ambiental, Clair Wagner, explica que, muitas vezes, o mosquito pode depositar suas larvas em pequenos orifícios em cercas, em bordas de piscinas e até mesmo em flores e troncos de árvores no jardim podem conter água parada.

“Não podemos olhar apenas para onde há acúmulo de lixo ou entulho, o mosquito pode estar depositando suas larvas dentro de casa, nas folhas ou caule da bela bromélia sobre a mesa, atrás da geladeira, em ralos e pequenos orifícios”, diz Clair.

Uma estrutura metálica de uma cerca, toldo  e até mesmo orifício em pergolados em jardins podem esconder larvas do mosquito traiçoeiro.

(Secom)

 

Relacionadas

Leave a Comment