Com flagra histórico, biólogos realizam novo estudo da fauna para a Nova Ferroeste

Esta é a quarta e última campanha da fauna, que vai compor o Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) do projeto.

Nova Ferroeste

Uma equipe de biólogos que atua nos estudos exigidos pelo projeto da Nova Ferroeste iniciou na semana passada a quarta e última campanha da fauna, que faz o levantamento e identificação das espécies existentes nas áreas do traçado da ferrovia. Espécies endêmicas de anfíbios, anta, onça-parda, aves e animais ameaçados de extinção foram identificados na Serra do Mar, onde foram realizados os trabalhos.

No geral, o levantamento está sendo realizado em oito pontos dos 1.304 quilômetros de extensão da Nova Ferroeste. O projeto do Governo do Paraná é de uma linha férrea ligando Maracaju, no Mato Grosso do Sul, ao Porto de Paranaguá, e que também vai ampliar e modernizar o trecho já existente, entre Cascavel e Guarapuava.

A campanha da fauna acontece nas quatro estações do ano e faz parte do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas – Fipe. Levantamentos do solo, da flora e da fauna são algumas das atividades que estarão contidas no relatório final do EIA/RIMA, a ser entregue nos próximos meses.

Essas informações vão orientar o projeto de engenharia da Nova Ferroeste e definir mudanças que possam mitigar o impacto da passagem dos trilhos.

A Serra do Mar é o local com maior diversidade e número de espécies. Embora esta etapa seja a da estação da primavera, os primeiros trabalhos da campanha começaram no inverno. Com capas de chuva e botas de borracha quase até os joelhos, os biólogos adentram a mata sob fina garoa para montar as armadilhas. É a quarta vez que eles percorrem as trilhas abertas na primeira campanha, em janeiro de 2021.

Diversas espécies identificadas pelo grupo estão ameaçadas de extinção por conta da caça ilegal. Ao longo dos 55 quilômetros da descida da Serra do Mar, serão construídos 25 viadutos, 10 túneis e 4 pontes – um total de 17 quilômetros de viaduto, oito quilômetros de túnel.

Essas obras de arte previstas no projeto da ferrovia reduzem a necessidade de desmatamentos e conservam boa parte dos ambientes da maneira como se encontram. “O maior impacto da construção da ferrovia é a supressão de mata, e isso vai ser bem pontual. A gente espera que a instalação de passagens de fauna permita o trânsito seguro dos animais mesmo com os trens em movimento”, avaliou o biólogo Raphael Santos.

(AEN)

Relacionadas

Leave a Comment