Cooperativas de catadores terão mais incentivos com nova legislação

Evento na noite de ontem marcou a assinatura das leis, entrega de dois caminhões às cooperativas Cootacar e Caremel

Divulgação

Trabalhadores que atuam na coleta e separação de materiais recicláveis comemoraram a assinatura do projeto de lei que cria o Programa de incentivo às cooperativas de catadores em Cascavel. A lei que consolida a Rede Sustentar foi assinada na noite de ontem (12) pelo prefeito Leonaldo Paranhos, em ato que aconteceu no Ecoponto Manaus.

Durante o evento, foram repassados dois caminhões às cooperativas Cootacar e Caremel, adquiridos em parceria com a Itaipu Binacional. Também foi anunciada a criação da moeda ambiental Planeta, um cartão que vai acumular créditos aos catadores e aumentar a geração de renda dos trabalhadores do setor.

Também foi assinada a abertura do chamamento público para habilitação de cooperativa e/ou associação de catadores de material reciclável para exercer atividades de recebimento, triagem e processamento de materiais recicláveis e recebimento de visitantes, no Centro de Educação Ambiental e Ecoponto Manaus, unidade referência do Programa Sustentar.

O prefeito Paranhos destacou que mais um passo foi dado na valorização de uma classe trabalhadora tão importante para a cidade com o programa de incentivo.

“Com essa lei vai ser possível a gente avançar, inclusive, na valorização da renda dessas pessoas. Elas precisam ser motivadas, além da estrutura física, ter uma renda à altura para essas famílias”, afirma o prefeito.

O secretário de Meio Ambiente, Nei Haveroth, diz que a Rede Sustentar é um marco na história de Cascavel.

“Toda a história que Cascavel tem voltada a uma política de sustentabilidade, essa lei, esse investimento que o Município está fazendo aqui, essa aproximação com todo o setor de cooperados, serão um marco na história”, afirma.

Cooperativas

Os trabalhadores que atuam diretamente nas cooperativas comemoraram o avanço no setor. Márcia Regina de Oliveira, presidente da Cooperativa Carimel, considera a Rede Sustentar e seus ecopontos como uma grande empresa dos cooperados.

“É uma coisa para você agradecer mesmo e pedir para que Deus lá do céu derrame as bênçãos para essas pessoas que proporcionaram tudo isso para a gente”, afirma Márcia.

Josefa Cordeiro Chagas, presidente da Cooperativa Ascacar, destaca a valorização que os catadores de reciclável tiveram nos últimos anos.

“A gente se sente mais valorizado porque antes a gente andava de um barracão para o outro e não tinha parada. Agora não, a gente se sente valorizada porque está ali [no ecoponto]. A gente sabe que se a gente cuidar e zelar, pode ficar para o resto da vida”, ressalta.

Maicon Junior Farias, que trabalho no Ecoponto Brasília, enfatizou a qualidade e conforto dos ambientes para exercer o trabalho depois da construção dos ecopontos.

“A gente presta um trabalho com qualidade e é valorizado perante a sociedade. Trabalho mais digno, mais qualidade, a gente almoça, tem café da manhã. É o respeito que o trabalhador merece no dia a dia”, observa.

(Secom)

Relacionadas

Leave a Comment