Rua Segura: crianças aprendem a conviver com educação e cidadania na escola e na vida

Além de aproximar o agente de trânsito da comunidade, projeto coloca em prática a teoria para um trânsito mais humano e seguro

A Transitar está realizando mais uma ação por meio do Projeto Rua Segura, agora envolvendo toda a comunidade escolar. Com aulas teóricas e práticas ministradas pela equipe de Educação e Cidadania junto com agentes de trânsito, estudantes aprimoram conhecimentos acerca de uma boa convivência e comportamento seguro na via pública. A Escola Municipal Artur Carlos Sartori, no Bairro Santa Felicidade, está recebendo a proposta desde ontem (16). As atividades continuaram hoje (17), totalizando nos dois dias mais de 700 crianças, de todas as séries. Na terça-feira (22) o projeto segue para a Escola Municipal Juscelino Kubitscheck, do Bairro São Cristóvão.

A equipe passa em cada turma e, primeiro faz uma explanação teórica sobre o significado da sinalização horizontal e vertical que existe no entorno da escola. Fala sobre como fazer uma travessia segura na faixa de pedestres; explica as normas (idade) para transitar no banco da frente (10 anos) em carro e mínimo para moto (10 anos); como usar o cinto de segurança e assento de elevação ou cadeirinha e da obrigatoriedade e importância do capacete, além de enfatizar o respeito ao próximo, entre outras normas pertinentes e esclarecer dúvidas dos pequenos. Em seguida, é feita uma aula prática na via.

“O objetivo é dar significação ao conteúdo, de maneira que os pequenos vivenciem toda a teoria e possam, além de ter conhecimento para proteção na via pública, disseminar com os adultos o que aprenderam, sendo multiplicadores de boas práticas no trânsito. Acreditamos que eles possam contribuir para uma mudança de mentalidade e realidade”, detalha a encarregada do Setor de Educação e Cidadania da Transitar, Luciane de Moura, lembrando que após esse trabalho educativo, será a vez da equipe de fiscalização ir ao local.

O Rua Segura envolve, além das crianças, pais, professores, trabalhadores da educação, a comunidade e os gestores da instituição escolar, de maneira que todos que integram o trânsito possam refletir hábitos e ampliar conhecimentos.

Para a diretora da Escola Artur Carlos Sartori, Simara Macieski, o projeto atende a uma necessidade da comunidade, que percebeu uma problemática de segurança no trânsito com as crianças e com os pais. “Só ouvimos elogios para a equipe da Transitar, que soube envolver os alunos numa atividade concreta para que possam utilizar no dia a dia, nas travessias de vias, pois muitos demonstravam desatenção, andando fora da calçada ou correndo fora da faixa de pedestre, o que é um risco grande de acidente. Além disso, muitos pais estavam desatentos no embarque e desembarque. Agora estamos aguardando que as crianças sejam multiplicadores em casa e haja também fiscalização para evitar abusos, pois o fluxo de veículos aqui é grande”.

Envolvimento de todos

O cronograma da Transitar para o Rua Segura é permanente e focado principalmente em escolas onde a sinalização já contempla a travessia elevada para pedestres e, ainda, conflito de trânsito devido ao fluxo de veículos no embarque e desembarque de estudantes. Também são priorizadas as escolas que acatam o projeto e estão abertas à proposta de envolvimento com o tema.

“Nosso objetivo é contemplar todas as escolas do Município, incluindo particulares e estaduais, mas precisamos que a comunidade escolar colabore com o exemplo de comportamento para os pequenos e que cumpra a legislação de trânsito, obedecendo a sinalização da via. O engajamento de toda a comunidade trará resultados excelentes neste projeto, uma vez que as crianças levarão o conhecimento e precisam contar com os adultos para que tudo dê certo”, finaliza Luciane.

Foto e Texto: Secom Cascavel

Relacionadas

Leave a Comment