DESTAQUEINTERNACIONAL

Trabalho secreto apoia cristãos refugiados da Coreia do Norte

Veja como parceiros de organização cristã alcançam norte-coreanos na China

Muitos norte-coreanos atravessam a fronteira para a China para ouvir sobre Jesus. Foto: Portas Abertas

Ser descoberto como cristão na Coreia do Norte é efetivamente uma sentença de morte. Ou os cristãos são enviados para campos de trabalho forçado como prisioneiros políticos, onde eles enfrentam uma vida de trabalho duro a que poucos sobrevivem, ou são mortos no local. O mesmo destino aguarda os membros da família. Acredita-se que haja dezenas de milhares de cristãos mantidos em campos de trabalho forçado no país.

É impossível para cristãos viverem livremente na Coreia do Norte. É quase impossível para cristãos se reunirem ou se encontrarem para cultuar. Aqueles que arriscam se encontrar devem fazer isso em sigilo absoluto — e sob enorme risco. Por mais de 20 anos, o país esteve em primeiro lugar na Lista Mundial da Perseguição, que classifica os 50 países onde os cristãos são mais perseguidos.

Por meio de redes de trabalho secretas fora do país, os colaboradores secretos da Portas Abertas ajudam cerca de 100 mil cristãos norte-coreanos com alimento e ajuda vital, além de oferecer abrigo em casas seguras na China e treinamento por meio de programas de rádio transmitidos de fora do país.

Além disso, para alcançar cristãos da Coreia do Norte, a organização opera em muitos abrigos na China, onde recebem cristãos norte-coreanos refugiados. Ali, eles recebem alimentos, remédios e estudos bíblicos. A maioria volta para a Coreia do Norte, porque permanecer na China é muito perigoso para eles.

A rua onde um dos abrigos fica convenientemente escondido em profunda escuridão. Há poucas pessoas na região e elas não conseguem enxergar o trabalho que acontece ali. É difícil imaginar que ali cristãos atravessam o rio e se reúnem em segredo para prestar culto a Deus. Por dentro, o abrigo parece com uma casa ou apartamento chinês comum.

“Muitos refugiados perambulam pelas ruas em busca de lugar para dormir. Eu me aproximo deles e os ajudo até que eles possam seguir adiante sozinhos. Eles perguntam por que faço isso sem pedir algo em troca. É nesse momento que falo sobre Deus e a Bíblia, e muitos voltam para a Coreia do Norte como cristãos. Algumas vezes, esse trabalho me deixa esgotado. Então me ajoelho e oro pedindo a Deus que renove minhas forças”, disse Yun Hee*, que cuida de um dos abrigos na China.

Renovo das forças pela oração

O trabalho de Yun Hee é cuidar dos refugiados e oferecer acolhimento e a Palavra de Deus a eles. “Já vi até mesmo espiões mudarem porque fui gentil com eles. Alguns deles chegam a confessar que foram enviados para fazer um relatório sobre mim para a agência de Serviço Secreto, mas em seguida dizem que ficam tão gratos pelo que faço que escreverão apenas coisas boas sobre mim e não comentariam nada sobre as atividades ilegais”, acrescenta a parceira.

Quando cristãos norte-coreanos chegam querendo aprender mais sobre Deus, eles são conectados com parceiros locais que entregam Bíblias para eles na China. “Temos um código. Se meu contato local diz essa palavra, sei que preciso encontrá-lo em um lugar secreto. Ali, explico o evangelho e como podem aprender mais sobre a Bíblia nos abrigos. Assim eles ficam preparados para compartilhar as boas-novas com suas famílias e amigos quando voltarem à Coreia do Norte”, disse Beom-Seok*, outro parceiro que trabalha com refugiados na China.

Nas ondas do rádio

A única maneira de muitos cristãos na Coreia do Norte receberem conteúdo cristão é por meio de programas de rádio clandestinos.

A Coreia do Norte vende rádios que podem ser sintonizados somente nas frequências do Estado. Por isso, os cristãos encontram rádios no mercado negro ou conseguir algum por meio da rede de trabalho secreta da Portas Abertas na China.

A Portas Abertas opera um ministério de rádio que faz suas transmissões de fora da Coreia do Norte, mas que chega a milhares de cristãos secretos diariamente dentro do país.

Nossos programas diários incluem leitura das Escrituras, estudos bíblicos e instrução teológica para ajudar a igreja secreta no país a crescer em fé e sabedoria. Nossa meta é apoiar e fortalecer cristãos norte-coreanos secretos e ajudá-los a educar a próxima geração de cristãos.

A história de Ji-ho

Quando pequena, a norte-coreana Ji-ho* viu o pai ser levado por agentes do Estado após encontrarem um livro secreto (que só mais tarde descobriu que era a Bíblia) enterrado no jardim de sua casa. O que eles não sabiam é que na casa também havia um rádio, escondido atrás de uma das fotos dos líderes do país. A história completa de Ji-ho é contada neste vídeo.

Para saber mais e ajudar cristãos perseguidos na Coreia do Norte, acesse o link.

As informações são do Portas Abertas

*Nomes alterados por segurança.

Deixe um comentário